quinta-feira, 4 de março de 2010

A Pesquisa como eixo da formação docente



Existe a necessidade de fazer da pesquisa uma atitude cotidiana no professor e no aluno.

Apesar de reconhecermos a seriedade com que os pesquisadores brasileiros vem produzindo uma consistente literatura no âmbito da educação, os efeitos de tais avanços pouco se refletem no interior das escolas. Ou seja a escola continua produzindo analfabetos, analfabetos funcionais e iletrados.
Sabe-se quanto é dificil a superação entre da dicotomia entre o fazer e o pensar matrizada na divisão do trabalho e na hierarquização: uns para fazer, outros para pensar,,uns denominando a toria, outros limitados a prática mecanizante. Os impasses são por demais evidentes.Quem vive o cotidiano da escola não se reconhece no texto teórico, sentindo-se negado;Quem teoriza precisa estar atento para não se abstrair da realidade da escola, exorcisando o que possa tumultuar a racionalidade do constructo teorico elaborado.
Pensando alternativas para o impasse é que propomos a idéia discutir a questão por outro ângulo entendo que a pesquisa , não sendo um fim em sí mesma, pode ser a consequência de um fazer que o indivíduo faz e coloca questões.
É preciso recuperar o fazer pensando ou seja torná-se um professor pesquisador.Partindo do princípio de que a ação e a reflexão compoem uma relação dialógica e dialética.

3 comentários:

Rosana Mafra disse...

Edjane
É preciso que haja articulação entre prática-teoria-prática, para a instrumentalização de um exercício profissional pautado pela observação, questionamento e redirecionamento do cotidiano. A teoria nos permite ver além do senso comum. Ajuda a olhar a realidade por outra perspectiva. Todavia, a finalidade da teoria é a prática.

Bjossssssss

Luciane disse...

Edjane
Tenho pensado muito nesse assunto ainda mais que estou produzindo uma monografia que fala sobre o processo de leitura nas escolas, e tenho percebido o quanto as práticas tradicionais tem contribuido com a formação de alunos mecânicos,e os professores insistindo em seguir reproduzindo essas técnicas que só marginalizam ainda mais o ensino e aprendizagem formando alunos sem senso crítico.

Um abraço!
Beijossss!!!!

ROMENISE,PEROLINA E REGINALVA disse...

Edjanne

Acredito que as pesquisas direcionam a nossa prática pedagógica, porém vejo que muitas não reflete a realidadeque vivenciamos,portanto adotá-las nas escolas sucatedas com vontade local e não central não resolve.
vejo que só ações setoriais sem um direcionamento central não dá para fazer ....
E velha e conhecida frase popular "que á teoria é diferente da prática" é verdade